Comendo pelas Beiradas (Rails)

Rails Summit Latin America

Antes de falar sobre o Rails eu quero falar do Java, porém a intenção desse post não é causar nenhuma flame sobre essas duas tecnologias, mas apenas fazer um breve comparativo e expressar minha opinião sobre o assunto.

O Java é uma plataforma muito poderosa não só por causa da linguagem. A linguagem permite Orientação a Objetos, porém ainda são desenvolvidos muitos sistemas completamente estruturados no Java. A Java Virtual Machine (JVM) é umas das melhores coisas da plataforma, pois por causa dela uma aplicação acaba se tornando mais rápida do que se fosse desenvolvida em outras linguagens, como por exemplo a linguagem C. Isso acontece graças ao JIT que, com a ajuda dos Hotspots, tem um algoritmo poderosíssimo que transforma códigos do java em linguagem de máquina em runtime. Isso não acontece no C pois ao ser gerado o executável não dá mais para alterá-lo em tempo de execução.

Depois que o Java virou moda muitas aplicações foram migradas para Web utilizando essa linguagem da Sun. Assim como outras aplicações Web, escritas em PHP, ASP, Perl, também foram migradas. E para todas as novas aplicações, sejam elas grandes ou pequenas, a única coisa que vinha na cabeça das pessoas era fazer tudo em Java.

“Com apenas uma ferramenta para trabalho, o martelo, todos os problemas viram pregos”

Porém em meados de 2000 a 2002 o java não tinha nenhuma padronização de trabalho para a Web. Não havia padronização de framework e nem de estrutura de pastas. Apenas os velhos conhecidos WEB-INF e META-INF e só. Aconteceu que cada projeto era uma aventura difetente, e se mudasse de projeto teria que reaprender tudo de novo. Por causa dessa falta de padronização surgiram framworks como o Struts e o Hibernate. Na época o Struts até que facilitou pois é melhor do que não usar nada. Porém hoje ninguém é louco de fazer algo com Struts pois já existem frameworks MVC muito mais simples e produtivos. Já o Hibernate é um excelente projeto e continua cada vez mais evoluindo.

Hoje existe a comunidade JCP onde muitos profissionais de renome do mundo todo discutem sobre o futuro do Java. Isso é bom por um lado pois eles entram em acordo para definir o que será padronizado, porém muito processo acaba que retardando o crescimento do Java.

Comendo pelas beiradas, surgiu o Ruby on Rails. Um framework totalmente pensado para o desenvolvimento Web, através da linguagem Ruby. O Rails juntou a padronização e produtividade com a simplicidade e expressividade do Ruby. O Ruby é uma linguagem dinamicamente tipada, totalmente Orientada a Objetos e também pode ser usada como lingagem de “scripting” (não gosto muito desse termo). O Rails, ao contrário do Java, vem crescendo com uma velocidade espantosa. Quem quiser ficar por dentro desse crescimento o blog do Carlos Brando é um ótimo caminho.

Hoje em dia muitas Empresas estão adotando Metodologias Ágeis, e se tratando de Time-to-Market, o Rails sai muito na frente do Java. Por isso um time que trabalha com Rails + Git tem muito para ser verdadeiramente ágil. As empresas no Brasil que usam Rails ainda são muito poucas comparado à quantidade de empresas exterior. E por que não usar Rails na sua Empresa contando que o Rails também é Enterprise? Em Abril de 2008 e Junho de 2008, Phusion Passenger e Ruby Enterprise Edition, respectivamente, foram liberados. Phusion Passenger é um servidor de aplicação para Ruby on Rails no Apache e quando combinado ao Ruby Enterprise Edition, permitem que o servidor faça muitas técnicas de otimização e possibilitando a aplicação escalar melhor.

A linguagem Ruby pode ser usada junto ao Java utilizando o JRuby, unindo a produtividade do Ruby com todo o poder da plataforma Java. O Fábio Kung escreveu esse post e vai falar sobre JRuby on Rails no Evento Rails Summit.

E para nossa diversão o pessoal da Rails Envy fez esse screencast aqui:

Publicado em rails. Tags: , , . 2 Comments »

2 Respostas to “Comendo pelas Beiradas (Rails)”

  1. Pedro Says:

    Ola,
    Não podemos de esquecer do Grails, um framework excelente baseado no Groovy . Que aumenta estupidamente a velocidade de desenvolvimento, além de tudo é Java.

    Pedro

  2. Ricardo Almeida Says:

    Muito bem lembrado Pedro!


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: