Comportamento de Software

 Behaviour-Driven Development (BDD) é o desenvolvimento de software dirigido ao seu comportamento. É a união de desenvolvimento guiado por testes (TDD) e Design dirigido ao domínio da aplicação (DDD).

Para entender direito o que é BDD é necessário comentar sobre TDD e DDD. Nesse post quero focar no TDD. Um assunto tão importante como esse merece muita atenção!

Quando acontece um bug num software é bastante comum os desenvolvedores gastarem mais tempo tentando achar o erro do que consertar o erro em si, principalmente se o sistema não tiver testes automatizados.

O TDD é uma prática usada por times que seguem Extreme Programming. Desenvolvedores que não usam essa prática se encaixam em um dos itens abaixo:

  • Tem preguiça de fazer testes
  • Faz os testes no final
  • Não conhecem os benefícios de o TDD trás.
Existem desenvolvedores que confiam tanto no seu trabalho que deixam para outros testarem o que desenvolveu. Porém um bug pode não ser pego no teste de outros e ocorrer quando estiver em produção.
Os que deixam os testes para o final podem não lembrar de testar todos os cenários. E se ocorrer atrasos no projeto o primeiro que vai ser cortado são os testes.
Para quem não conhece os benefícios do TDD fale a pena comentar um pouco do assunto.

Iniciar essa prática pode parecer um pouco difícil e chato, mas para a equipe de XP isso se torna muito natural. Todo código implementado deve coexistir com um teste automatizado, para garantir o funcionamento do software com a entrada de novas funcionalidades. Esses testes automatizados garantem a qualidade do software pois, se uma nova codificação afetar alguma regra de negócio, o teste deve instantaneamente apontar o problema antes que o release seja entregue. Quando essa automatização existe, os desenvolvedores ficam com mais coragem de alterar uma parte do código que ele não desenvolveu e eles tem mais confiança de fazer refatorações necessárias para melhorar o código. A Refatoração é muito importante seja para facilitar a manutenção do sistema ou para melhorar a performance do código, mas que seja feira sem alterar a funcionalidade do software. Geralmente a gente refatora quanto encontramos códigos duplicados, pouco legíveis, mal codificados, sem padronizações, lentos etc.

Primeiro implemente o que (comportamento) você quer testar, e execute testes de sucesso que garantam falhas do sistema e testes de sucesso que garantam o bom funcionamento. Depois disso você implementa a funcionalidade em questão.

Uma boa prática de trabalhar com TDD é fazer o que o pessoal de XP chama de seguir “passos de bebê”. O benefício disso é que quando você faz um teste para um software que tem poucas linhas é bem mais difícil de você ter inserido um bug. E a medida que a funcionalidade vai crescendo os testes automatizados tem que continuar executando, tanto os de falha quanto os de sucesso.

Fazer TDD não é apenas testar a aplicação e sim fazer um design simples. Muitos problemas de acoplamento das suas classes serão percebidos quando escrever um teste. TDD é muito relacionado com refactoring, tornando o código fácil de ler. O fato das pessoas não saberem o que testar e como testar torna uma barreira para fazer os testes, mas depois de se conhecer os benefícios e começar a praticar, o desenvolvimento guiado por testes tente a ser uma maneira natural de pensamento. 

“Nos dias de hoje, é irresponsabilidade um desenvolvedor entregar qualquer linha de código sem que exista um teste unitário para comprovar o seu funcionamento” frase de Bob Martin

Existem basicamente dois tipos de testes, os testes de unidade e os testes de aceitação (integração). Os testes de unidade seriam para testar os métodos de uma classe. Já os de integração tem como objetivo validar a integração das classes que implementam uma funcionalidade, atendendo as necessidades de maneira correta. Os testes de integração, na maioria dos casos, são descritos pelos clientes, mas quem implementa são os desenvolvedores.

Para fazer testes automatizados temos muitas ferramentas disponíveis, basta usá-las.

Testes unitários, em Java, temos JUnit, UnitNG, JMock. Para testes de integração temos o Selenium, Fit, Fitnesse. Ferramentas de BDD JBehaveJDavebeanSpecInstinct.

Em Ruby on Rails temos autotest para automatização dos testes. Para BDD tem ótimas ferramentas como RSpec Shoulda.

Em Javascript, para o JQuery, temos o JQunit. Para BDD tem o JSSpec.

Para Integração Contínua tem o CruiseControl.

Para verificar a cobertura de testes temos o EmmaCloverJCover.

Precisei fazer uma refatoração num sistema que não tinha testes unitários e as classes eram bastante acopladas. Mas isso não foi problema para eu criar os testes. Usei o JMock e criei objetos de mentira para simular outras classes que não era minha intenção testar. O JMock pode ser usado para simular uma classe que faz acesso a banco, HTTPRequest ou qualquer outra classe do seu sistema. Um exemplo de uso nesse post.

Um excelente exemplo de TDD pode ser lido nesse post da Improve It.

Uma das ferramentas que mais gostei foi o Selenium. O Selenium-IDE funciona como um robozinho que grava as ações em uma tela. Por exemplo o click em um botão deve trazer uma lista de resultados. Se ao disparar o teste do botão a listagem não aparecer, o Selenium-IDE avisa que tem erro no sistema. A ferramenta pode disparar o mesmo teste em vários browsers diferentes.

Quando pensamos em qualidade no software devemos lembrar das ferramentas ideais para nos auxiliar em nosso ambiente. Pensar nos testes como sendo automatizados, pois são mais eficientes que qualquer teste de usuário, o qual também é importante.

2 Respostas to “Comportamento de Software”

  1. Criando uma DSL « Manifesto na Web! Says:

    […] é um framework orientado ao comportamento do software (escrevi sobre isso nesse post) que permite usuários escrever histórias que expressem e validem o comportamento do software. […]

  2. TDD é realmente necessário? « Manifesto na Web! Says:

    […] alguns posts sobre esse assunto, quem quiser pode dar uma lida e fiquem a vontade em comentar aqui e aqui Postado em Test Driven Development, […]


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: